Primeira quinzena de março apresenta ligeira alta no consumo de energia

O consumo de energia elétrica no Brasil na primeira quinzena de março registrou uma leve alta de 0,4% frente ao mesmo período do ano passado. O volume consumido alcançou os 64.779 megawatts (MW) médios. Os dados, divulgados nesta quarta-feira (18) pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, são referentes ao período anterior ao agravamento dos impactos causados sobre a economia pela disseminação do COVID-19, conhecido como coronavírus. Os dados constam do boletim InfoMercado Quinzenal, publicado no site da organização.

O crescimento apresentado nesta prévia decorre principalmente do efeito do feriado de Carnaval, que em 2019 ocorreu no dia 05 de março. Já neste ano, as festas foram celebradas em fevereiro, o que adiantou a redução do consumo nos segmentos comercial e industrial. As temperaturas mais amenas registradas entre o dia 1º e 15 limitaram o aumento no volume consumido.

No Ambiente de Contratação Regulada – ACR, o consumo apresentou retração de 2,0%, principalmente em decorrência da migração de consumidores para o Ambiente de Contratação Livre – ACL. Excluindo-se o impacto das migrações, o ACR registraria aumento de 0,1%. O consumo no mercado livre, por sua vez, apresentou crescimento de 6,0%. Desconsiderado o impacto da migração, contudo, o ACL apresentaria aumento mais modesto, de 0,9%.

Os segmentos que registraram maior crescimento, considerando autoprodutores, varejistas, consumidores livres e especiais, foram: saneamento (23,8%), comércio (18,0%) e manufaturados diversos (13,2%). Os ramos de atividade que apresentaram o pior desempenho foram transporte (-7,6%) e extração de minerais metálicos (-6,2%).

clique aqui e leia a notícia na íntegra no site da CCEE

Fonte: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE

Nadja Marinho

Nadja Marinho

Meteorologista em Energy Price
Graduação em Meteorologia pela Universidade Federal da Pará (1994); Mestrado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1997), com a tese de Validação da Versão Climática do MCGA CPTEC/COLA.

Meteorologista com experiência na área de previsão do tempo analises e previsões climáticas e em modelos de previsão. Especialista em energia eólica e solar na Aeroespacial Ltda com atividades de análise de dados, micrositing e estimativa de Produção de Energia Anual (PAE); e Coordenadora Técnica do Projeto Sistema de Certificação Continua de Curva de Potência - CCCP do projeto de engenharia da Fundação de Amparo da Ciência e da Tecnologia do Estado de Pernambuco, FACEPE pela empresa Aeroespacial. Consultora em previsão meteorológica para o mercado de energia e responsável pelo desenvolvimento de produtos para a Energy Price, para tomada de decisões no mercado de energia.
Nadja Marinho

Nadja Marinho

Graduação em Meteorologia pela Universidade Federal da Pará (1994); Mestrado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1997), com a tese de Validação da Versão Climática do MCGA CPTEC/COLA. Meteorologista com experiência na área de previsão do tempo analises e previsões climáticas e em modelos de previsão. Especialista em energia eólica e solar na Aeroespacial Ltda com atividades de análise de dados, micrositing e estimativa de Produção de Energia Anual (PAE); e Coordenadora Técnica do Projeto Sistema de Certificação Continua de Curva de Potência - CCCP do projeto de engenharia da Fundação de Amparo da Ciência e da Tecnologia do Estado de Pernambuco, FACEPE pela empresa Aeroespacial. Consultora em previsão meteorológica para o mercado de energia e responsável pelo desenvolvimento de produtos para a Energy Price, para tomada de decisões no mercado de energia.