Cesp priorizará redução de passivo a novos investimentos em 2020

Segundo Mario Bertoncini, presidente e diretor de relações com investidores da companhia, mesmo após registrar um lucro líquido de R$ 1,2 bilhão e fechar 2019 com R$ 741 milhões em caixa, a Cesp ainda não tem planos para voltar a investir em novos projetos em 2020.

Em teleconferência nesta terça-feira, 18 de fevereiro, o executivo disse que o plano de negócios não prevê crescimento nesses primeiros anos e que o foco da nova gestão é “desmontar” o passivo contencioso de R$ 11,4 bilhões herdado da antiga administração.

A maior parte desse passivo judicial são ações ambientais e ações movidas por funcionários. Apenas 45 ações representam 78% do contencioso total.

Por outro lado, a empresa segue discutindo judicialmente a indenização da hidrelétrica de Três Irmãos. Com o fim da concessão e a relicitação da usina, a Cesp alega ter direito a receber R$ 4,7 bilhões em indenização do governo, porém a União reconhece apenas R$ 1,7 bilhão. O processo se arrasta desde meados de 2014 e agora encontra-se na fase final de produção de provas.

Em 2018, a Votorantim Energia e o fundo canadense CPPIB arremataram juntas o controle acionário da Cesp. As empresas pagaram R$ 1,7 bilhão por 40,6% das ações que pertenciam ao governo do Estado de São Paulo, operação que marcou a privatização da companhia. Atualmente, a Cesp opera e explora três hidrelétricas que somam 1.654,6 MW de capacidade instalada e 947,6 MW médios de garantia física de energia.

Cesp termina 2019 com lucro de R$ 1,2 bilhão.

 

 

FONTE: CANALENERGIA